Chefe da McLaren avalia ida de Hamilton para Mercedes: ‘Foi um erro’

Martin Whitmarsh, que assumiu o cargo de chefe da
McLaren após a saída de Ron Dennis, em 2009, tentou segurar Lewis
Hamilton
na equipe de todas as maneiras, mas o piloto acabou
acertando com
a Mercedes pelos próximos três anos
. Para o comandante da escuderia,
Hamilton cometeu um erro ao se afastar da equipe que o apóia desde os tempos de
kart, quando o inglês conquistou a confiança de Ron Dennis e se tornou uma das
grandes promessas do automobilismo mundial.

– Para alguém com vontade de vencer, sair da McLaren é um erro. E penso assim
porque tenho fé e acredito neste time. Nós somos uma equipe fantástica. Então,
eu diria para qualquer piloto com vontade de vencer na Fórmula 1 para aspirar
uma vaga na McLaren. Eu não aconselharia ninguém a sair da McLaren, mas preciso
respeitar a decisão de Hamilton – declarou Martin Whitmarsh ao site britânico
“BBC”.

Hamilton defendia o carro prateado da McLaren
desde sua estreia na Fórmula 1, em 2007. Campeão mundial um ano depois, o piloto
não concordou com os termos propostos pela McLaren para a renovação. A equipe
chegou a oferecer um extra de 2 milhões de libras (R$ 6,6 milhões) por ano, mas
não
conseguiu convencer o inglês a ficar
. Na Mercedes, onde vai substituir o
heptacampeão Michael
Schumacher
, Hamilton será um dos pilares da nova fase da equipe
alemã, que pretende melhorar o desempenho na Fórmula 1 nas próximas
temporadas.

Lewis Hamilton e Martin Whitmarsh comemoram
vitória no Canadá, em junho (Foto: Getty

– Nós propusemos um valor realmente grande, maior do que qualquer piloto de
Fórmula 1 está desfrutando atualmente. Estávamos mesmo trabalhando para ele
ficar, mas eu sabia que havia uma chance de não acontecer. Ele me ligou da Ásia
há dois dias, e acho que fui a primeira pessoa para quem contou sobre a decisão.
Tivemos uma longa e calorosa conversa. Tivemos outra conversa ontem. No final,
precisamos tomar uma decisão e seguir em frente – relembrou Whitmarsh.
Este ano, Hamilton venceu três corridas (Canadá,
Hungria e Itália) e ocupa a quarta posição no ranking, com 142 pontos. A McLaren
é vice-líder entre os construtores e soma 261 pontos, 36 a menos que a RBR. A
Mercedes aparece apenas em quinto lugar, mas a equipe alemã tem feito
investimentos pesados e reformulou sua equipe de técnicos e engenheiros para
postular melhores resultados nas próximas temporadas. Este ano, a Mercedes
conseguiu apenas uma vitória, com Nico
Rosberg
no GP da China, em abril. A alemã apareceu outras duas vezes
no pódio: o segundo lugar de Rosberg em Mônaco, em maio, e o terceiro lugar de
Schumacher no GP da Europa, em junho.

 
 

 

A escolha do piloto inglês promoveu uma verdadeira
“dança das cadeiras” na Fórmula 1. A vaga desocupada na McLaren será preenchida
por Sergio
Pérez
. O mexicano será companheiro de Jenson
Button
e abre espaço para uma contratação na Sauber. O brasileiro
Luiz Razia, vice-campeão da GP2, é
um dos interessados
. O time suíço, que conta com o japonês Kamui
Kobayashi
, ainda não definiu quando pretende anunciar o substituto de
Pérez.
A chegada de Hamilton na Mercedes, que manterá
Nico Rosberg em seu quadro, coloca em xeque o futuro de Schumacher na categoria.
Em 2010, o alemão deu um tempo na aposentadoria para competir pela Mercedes. Mas
as três temporadas à frente da nova equipe em nada lembraram as conquistas do
passado, com sete títulos mundiais e recordes de vitórias e poles, entre tantos
outros. Schumacher desejou
sorte ao adversário no novo time
, mas ainda não se pronunciou sobre seu
destino na Fórmula 1.
Fontes: G1 –  Sport Mail Online

Deixe uma resposta