São Paulo empata com Tigre na Argentina

Em um confronto marcado por muita catimba e poucas chances de gol, o Tigre segurou o favorito São Paulo em Buenos Aires e saiu de campo com um empate em 0 a 0 na primeira partida da final da Copa Sul-Americana. As provocações deram o tom do duelo na Bombonera e os deixaram o gramado com um jogador a menos: o atacante Luis Fabiano e o zagueiro paraguaio Donatti foram as baixas, expulsos em meio a uma confusão depois de uma falta em Lucas.
Depois do empate sem gols na Argentina, o São Paulo precisa de uma vitória simples na partida decisiva, na próxima quarta-feira, no Morumbi, para ser campeão do torneio. Como na final o gol marcado como visitante vale o mesmo, qualquer empate na capital paulista força av prorrogação. Em caso de nova igualdade, a taça será disputada nos pênaltis.

Nervos à flor da pele
A partida começou tensa e logo aos 13 minutos Luis Fabiano desperdiçou o esforço de Ney Franco em poupar seus titulares no clássico contra o Corinthians: após falta em Lucas, o atacante se envolveu em uma confusão com o zagueiro do time argentino Donatti e acabou expulso, ao lado do jogador adversário.
O jogo continuou quente no primeiro tempo, mas além de trombadas e provocações, houve pouca ação em campo. O São Paulo teve mais posse de bola, mas encontrou um adversário muito bem postado defensivamente. A melhor chance da etapa inicial veio quando Luis Fabiano ainda estava em campo: em condição legal, ele recebeu passe com liberdade dentro da área e chutou rasteiro, em cima de Albil.

O goleiro do time argentino só voltou a trabalhar aos 26 minutos, quando o volante Denilson arriscou arremate de longa distância. A bola, a princípio, parecia fácil, mas quicou à sua frente e o obrigou a fazer complicada defesa. Com um tapa, ele a tirou para escanteio e, de novo, evitou a inauguração do placar. Pelo lado argentino, o único jogador a preocupar era Botta, que dava algum trabalho pela ponta direita.

Mais ação no segundo tempo
A etapa final foi mais agitada, com os argentinos mostrando mais suas garras. Ocupando melhor o campo de ataque, o Tigre se valeu de consecutivas bolas levantadas à área e colocou pressão na zaga tricolor, que ficou praticamente toda pendurada: os zagueiros Rafael Toloi e Rhodolfo e o volante Denilson levaram cartão amarelo.
Num último esforço para sair da Argentina com alguma vantagem, Ney Franco trocou Jadson por Cícero. A substituição aumentou a estatura da equipe são-paulina, mas pouco contribuiu ofensivamente, já que o time brasileiro não mantinha o controle da bola – prova disso é que Albil pouco trabalhou no segundo tempo. Sem risco para os dois lados, a decisão ficou para o Morumbi.

Fontes: FIFA.com – El Clarin –  Telam
Edição: Ramon Paixão – editor chefe do Jornal Escanteio

Deixe uma resposta