VICENTE ALENCAR FUTEBOL & CIA Jornalista, radialista

DIDA IMORTAL – Dida, um dos maiores goleadores do Clube de
Regatas Flamengo e do Brasil é, hoje, um nome imortal, graças à
construção e instalação de um Museu com o seu nome, em
Maceió. Trata-se do Museu do Futebol Edvaldo Alves de Santa
Rosa, criado em 8 de agosto de 1993, por Lauthenay Perdigão.
Dida foi o grande goleador da partida final do Campeonato Carioca
de 1955, quando o Flamengo venceu o América, por 4 a 1, e
conquistou o famoso tricampeonato.
QUATRO GOLS – Naquela partida, realizada em 4 de abril de
1956, ainda vigorando a decisão do ano anterior, Dida marcou os 4
gols da vitória rubro-negra, embora o último, alguns tenham
registrado como gol contra de Edson, zagueiro do América. A
arbitragem, porém, não considerou essa jogada. Dida nasceu em
Alagoas, começou no CSA, mas no Flamengo teve o mesmo
prestígio de Leônidas e Zizinho, como goleador, perdendo a
majestade apenas para Zico, que fez mais gols que ele, no
“mengo”.
244 GOLS – No Clube Regatas do Flamengo, onde chegou ao
final de 1953 e ficou até 1964, quando concluiu sua carreira
(estreou num Flamengo 2 x Vasco da Gama 1, em 17.10.1954),
Dida chegou a assinalar 244 em 350 jogos realizados pelo
“mengo”, desde 1954 a 1966, quando deixou o time carioca e foi
aruar na Portuguesa de Desportos. Dida jogaria ainda pelo Atlético
Júnior da Colômbia, onde encerrou sua carreira em 1968.
PASSAGEM NA SELEÇÃO – Dida, na Seleção Brasileira, jogou
em 8 oportunidades, com 7 vitórias conquistadas e um empate. Foi
campeão do mundo em 1958, tendo seguido com titular no Mundial
da Suécia e tendo jogado diante da Áustria, quando da estreia do
Brasil no certame, com a vitória de 3 a 0. Acabou perdendo a
posição para Pelé. Dida nasceu em Maceió, em 26 de março de
1934, e morreu em 17 de setembro de 2002, no Rio de Janeiro,
vítima que foi de problemas hepáticos.
ARTILHEIROS – Levantamento feito junto ao Departamento de
Futebol do Flamengo nos informa a relação dos dez maiores
artilheiros do clube, em todos os tempos, com respectivos números
de gols marcados: 1) Zico: 508. Dida: 244. Bebeto: 151. Jarbas:
150. Zizinho: 145. Leônidas: 142. Índio: 136.
DIFERENÇA POR JOGOS – É de bom termo destacar que Zico
jogou 731 partidas pelo Flamengo, enquanto
Dida – é número de competições era bem menor – atuou em
apenas 350 jogos, ou seja, menos da metade das apresentações
de Zico. Na proporcionalidade Dida é tido como o homem que mais
goleou pelo time rubro-negro. O atacante ainda hoje é uma
referência no clube, quando seu nome é citado.
ONDE ESTÃO? – Torcedores do Fortaleza, decepcionados,
perguntam onde andam jogadores que foram contratados pelo
clube e “não deram no couro”. É o caso do Coquinho, Bruno de
Jesus, Jones, Ricardo Baiano que não deixaram saudades.
MAURO E EDMAR – Muitos amigos que torcem pelos dois
maiores clubes, sempre levantam assuntos importantes quando
conversam com os cronistas esportivos. Há poucos dias, na Banca
do Paixão, na Praça do Ferreira, alguns torcedores do Ceará
lembravam com saudade, os tempos de Mauro, também, chamado
Mauro Calixto e Edmar, dois nomes que marcaram época no clube.
Atualmente, não se tem atleta do mesmo nível no time preto e
branco.
EPANOR VEM AÍ – Epanor Victor da Costa Filho, o famoso Victor
que proporcionou ao Ceará Sporting uma das maiores alegrias de
sua torcida e, consequentemente, muita tristeza a galera do
Fortaleza, há alguns anos, vem aí. Soube que estará em Fortaleza
até o fim do ano, inclusive, para ser homenageado. Victor, embora
não tenha feito “carradas de gols” pelo Ceará, marcou muitos
tentos importantes.
LUCIANO FROTA – Um dos nomes mais reverenciados pela
torcida do Fortaleza é o do grande médico Joaquim Luciano
Gomes da Frota. O Dr. Luciano Frota foi um dos maiores nomes do
time do Fortaleza, jogando como volante algumas vezes como
zagueiro e outra como atacante. Sabia marcar sua presença em
campo e sempre foi um nome respeitado pela torcida. Infelizmente,
não comparece tanto aos campos de futebol, atualmente.
JORNAL DOS ESPORTES – Durante 11 anos apresentei o
programa Jornal dos Esportes, na Rádio Dragão do Mar. Depois do
seu desaparecimento fui para a FM PARREÃO 92.1, onde estou há
dois anos. Logo que o horário político esteja concluído o programa
voltará ao seu horário normal, das 7 ás 8 da manhã. Conosco
Ramon Paixão, Sérgio Bonfim, Ângelo Barreto, Sílvio dos Santos,
Fernando de Alencar, Luciano Bernardo, Wildo Celestino de
Oliveira, Izete de Alencar, e outros nomes que colaboram com o
nosso rádio-esportivo, que tem na APCDEC e apanágio de todos
nós.

Deixe uma resposta