Futebol Feminino: Precisamos ir para além do campo dos sonhos

As ‘visitas’ de cearenses à Seleção Brasileira pouco representa para a evolução da modalidade no estado do Ceará





Antes que se crie um sentimento de repulsa por conta da colocação acima, é importante que expressemos com verdade nossa alegria a cada convocação de uma atleta cearense para compor o selecionado brasileiro de futebol feminino, mesmo que isso se dê apenas em situação de avaliação e treinamento. Quando então essa fase preliminar é superada por nossas representantes, a alegria é redobrada, e certo sentimento de gratificação nos sobrevém, embora de prático pouco tenhamos feito para que a oportunidade se tenha dado. Certamente que o mérito maior cabe aos preparadores das atletas e aos mantenedores de seus clubes. Estes sim, os verdadeiros heróis anônimos que possibilitam que os fatos descritos aconteçam.

Da goleira Dida, ex-Caucaia, à meio-campista Gabi, também integrante das fileiras do mesmo Caucaia, temos assistido e nos alegrado com as convocações das cearenses para os selecionados nacionais. O trabalho para se chegar ao topo passa por processos e pessoas distintas, todas comprometidas e empenhadas na produção dos valores esportivos e de cidadania, com o objetivo de formar os seres integralmente.

Entendemos que o grande desafio que se nos apresenta é manter e ampliar a chama que anima a modalidade, buscando desenvolvê-la em nosso contexto, independente de seu desenvolvimento no restante do território nacional. Aqui vale fazer com que o micro possa influenciar o macro, já que a lógica inversa não há funcionado como deveria.

A premissa do aumento da quantidade de praticantes do futebol feminino, para dela perscrutarmos e colhermos a qualidade, para nós acaba mostrando-se como irrecorrível. Portanto, a questão seguinte é: o que fazer para estimular a prática deste esporte? Na realidade, entre os que vivem os dilemas e desafios inerentes à modalidade, as respostas a essas questões já estão mais que clarificadas. Até já se deu certo encaminhamento delas à capital oficial do Brasil, que já reúne um arrazoado que sugere o modus faciendi para fazer o futebol feminino decolar.

Enquanto não temos em ação um projeto nacional para o desenvolvimento da modalidade, resta-nos prover as necessidades desse crescimento através de ações planejadas e setorizadas, contanto que não permitamos a inércia, muito menos a desistência.

As Gabi’s podem não alterar substancialmente a realidade do futebol feminino cearense, mas certamente elas farão sobreviver o estímulo a que possamos buscar propagar o seu desenvolvimento. Pensando assim, vamos todos à luta.

Bene
Administrador autodidata e microempresário; repórter fotográfico com trabalhos realizados para conceituados veículos de comunicação como Folha de São Paulo e Estadão (SP); participante do processo de reformulação da disciplina fotografia do Curso de Jornalismo da Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero em São Paulo; ex-coordenador da área de fotografia da Secult/São Paulo; com formação em filosofia mística pela Ordem Rosacruz; iniciado na área técnica e administrativa da gestão esportiva – em nível de pesquisa extracurricular -, entre outros, são alguns dos elementos constitutivos dos nossos ‘ensaios não publicados’.

Deixe uma resposta