Coluna Ramon Paixão 154: SecultFor e ACECCE discute Dia do Maracatu e Unificação do ICMS deve ser votada dia 26/03

Nesta quarta-feira o secretário de Cultura de Fortaleza jornalista Magela Lima estará reunido com o presidente da ACECCE(Associação Cultural das Entidades Carnavalescas do Estado do Ceará) Arnaud Silvério  e  dirigentes  e uma empresa produtora de eventos  para tratar da  programação do Dia do Maracatu que transcorrerá  este mês no próximo dia 25.(Na foto o vice-presidente da Crônica Carnavalesca jornalista Newton Sales, presidente Arnaud Silvério, secretário Magela Lima e o presidente da Crônica jornalista Francisco Félix, durante reunião realizada na Secultfor antes do Carnaval .

O Dia do Maracatu Cearense foi criado oficialmente pela Lei Municipal nº 5.827/1984, por ser essa a data da Libertação dos Escravos no Ceará – 25 de março de 1884-, primeiro Estado brasileiro a abolir a escravatura, quatro anos antes da promulgação da Lei Áurea, em 13 de maio de 1888. Nesse dia, Fortaleza vê reis e rainhas, brasileiros, índios, calunga, preta e preto velhos, negro do incenso, orixás desfilando pelas ruas da cidade ao som da batida dolente do Maracatu da Terra mda Luz.










“LOAS DE MARACATU, CANTIGAS DE LIBERDADE” é o novo livro do jornalista
 Sérgio Pires, que deverá ser lançado  no dia 25 de Março, Dia do Maracatu

Loas de Maracatu Cantigas de Liberdade(CD)
Idealizado para comemorar dez anos de participação do cantor e compositor Calé Alencar como autor e tirador de loas no carnaval de rua, Loas de Maracatu Cantigas de Liberdade promove o registro de loas apresentadas no período de 1995 a 2005 pelos maracatus Nação Baobab, Vozes da África, Az de Ouro e Nação Fortaleza. Responsável por 14 das 16 loas apresentadas no disco, entre as quais as inéditas Leão Coroado, Estrela da Rua e Rainha Negra do Maracatu, Calé Alencar inclui Estrela Brilhante, em parceria com Carlos Pitta, e Um Canto de Amor Aos Orixás, composta por Descartes Gadelha para o desfile inaugural do Maracatu Nação Baobab.

Fontes: ACECCE – Maracatu Nação Fortaleza





Unificação do ICMS deve ser votada no dia

 26 e Mauro Filho diz que ela é um desastre


Comissão de Assuntos Econômicos
 – Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) analisa o projeto de resolução do Senado que unifica o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Mesa (E/D): os secretários da Fazenda, Afonso Moraes (Amazonas); Luiz Carlos Hauly (Paraná); Carlos Benevides Filho (Ceará); Cláudio Trinchão (Maranhão); presidente da CAS, senador Lindbergh Farias (PT-RJ); secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa; e os secretários da Fazenda Leonardo Colombini (Minas Gerais) e Jáder Julianelli (Mato Grosso do Sul)
Crédito:José Cruz/Agência Senado

A igualdade de alíquotas do ICMS vai representar um desastre para os estados das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. A afirmação é do secretário da Fazenda do Ceará, Carlos Mauro Benevides Filho, que participa do debate sobre a unificação das alíquotas do ICMS na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), nesta terça-feira (12).
Benevides observou que as indústrias não terão estímulo para se instalarem fora do grande eixo consumidor do país, as regiões Sul e Sudeste. Ele defendeu a diferença de tarifas e advertiu que o assunto tem que ser resolvido com a máxima urgência.


O projeto de resolução do Senado que unifica o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) deverá ser votado no dia 26 de março. A data foi anunciada nesta terça-feira (12/03) pelo presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), senador Lindbergh Farias (PT-RJ), que coordena debate sobre o assunto com secretários de Fazenda e o secretário o secretário executivo do Ministério da Fazenda e presidente do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), Nelson Barbosa.

Participam sete secretários de Fazenda: Cláudio Trinchão (Maranhão), Afonso Moraes (Amazonas), Paulo Henrique Câmara (Pernambuco), Carlos Benevides Filho (Ceará), Jáder Julianelli (Mato Grosso do Sul), Leonardo Colombini (Minas Gerais) e Luiz Carlos Hauly (Paraná).

O governo defende a convergência das alíquotas do ICMS para 4%, de modo a evitar a concessão de incentivos fiscais como forma de os estados competirem pela instalação de empresas em seus territórios – a chamada guerra fiscal.

Para defender essa posição, no dia 21, às 10h, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, participará de audiência pública na comissão. Mantega deve falar também sobre as oportunidades de investimento no Brasil e o uso da chamada contabilidade criativa.

Na audiência desta terça os secretários de Fazenda se mostram reticentes em relação à unificação por entenderem que isso tira autonomia dos estados. Para Barbosa, o projeto de resolução do Senado que unifica as alíquotas estaduais de ICMS em 4% até 2025 (PRS 1/2013), é uma “saída organizada” da guerra fiscal. A proposta da União, argumentou ele, é fruto de discussões com diversos setores e representa o consenso possível em torno do assunto, de modo que cada estado precisará ceder um pouco em benefício de todo o país.

Fonte: Agência Senado

Coronel Ávila Góis assume comando-adjunto da PMCE

O Coronel Fernando Antônio Ávila Góis assumiu, nesta terça-feira (12/03/2013), o cargo de Comandante-Adjunto da Polícia Militar do Ceará (PMCE) em substituição ao também Coronel PM José Jarbas Araújo dos Santos. A mudança, de caráter estritamente operacional, foi decidida pelo Comandante-Geral da PM, Cel. Werisleik Pontes Matias em conjunto com o Secretário da Segurança Pública e Defesa Social, Francisco Bezerra.
O Cel. Ávila estava atualmente à frente da Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops) que, dentre outras funções, gerencia o 190, telefone de emergência do Sistema Estadual de Segurança Pública.

Medicamentos serão reajustados
a partir de 30 de março
A autorização com os critérios de composição dos ajustes dos preços foi publicada no Diário Oficial da União. Para esses reajustes, serão consideradas as expectativas de inflação, de ganhos de produtividade das empresas e o preço dos insumos usados na produção


Câmara exclui punição a professor que

 não concluir graduação em seis anos

O Plenário da CÂmara dos Depútados aprovou o segundo destaque ao Projeto de Lei 5395/09 e retirou do texto a inabilitação do professor que não cumprir o prazo de seis anos para concluir curso de licenciatura de graduação plena. A regra atinge os professores da educação básica com formação em nível médio. O destaque, de autoria do PT, é igual à emenda da relatora da matéria na Comissão de Educação e Cultura, deputada Fátima Bezerra (PT-RN). Com o término da análise dos destaques, a matéria será enviada à sanção presidencial.

Fonte: Agência Brasil

Ramon Paixão – jornalista, radialista, cronista esportivo, cronista carnavalesco,editor-chefe do Jornal Escanteio e locutor da Rádio Pitaguary-AM. E-mail:

ramonpaixao@folha.com.br acecceeventos.blogspot.com Telefone para contatos: (085) 8868-0773.


Antonio Bento
Analista de Redes de Computadores , Pos-Graduado em Segurança de Redes de Computadores , Pos-Graduado Tecnologias Para Aplicações Web. Trabalha deste 2008 com Aplicações web em desenvolvimentos nas linguagem (php, Python, Ruby Rais) Conhecimento Avançando em banco sql Nosql.
http://stice.info

Deixe uma resposta