Breve história do Surf mundial

Em 1960, nasceu a primeira competição mundial de Surf; não tinha prémios, patrocinadores ou pontos para qualquer campeonato, os atletas fizeram tudo por amor à modalidade.

Surf_2.jpg

As primeiras estrelas mundiais foram Midget Farrelly, Joey Cabell, Mike Doyle e Bob McTavish, que venceram vários campeonatos nacionais e alguns torneios internacionais.

Enquanto a camaradagem e o espírito de equipa reinavam entre os atletas, as compensações monetárias eram escassas; a única coisa que os atletas ganhavam era reconhecimento mediático e alguns convites para participar em publicidade ou nas capas das revistas da modalidade.

Nos anos 70 o profissionalismo começou a emergir, pois no Havai foram criados 2 torneios (Smirnoff Pro e Duke Kahanamoku Classic) que ofereciam cerca de 10000 dólares ao vencedor.

As novas super-estrelas eram Jeff Hakman, Renenhum Abellera, Gerry Lopez, Nat Young e David Nuuhiwa, que engrossavam as contas bancárias com vitórias e contratos com várias marcas de material desportivo.

O Hawai, a Australia e o Japão eram os locais favoritos para fazer surf, mas os atletas norte-americanos e europeus começaram a reclamar provas nestes continentes, passando a haver provas na costa Oeste dos Estados Unidos.

Em meados dos anos 70, os eventos espalharam-se pelos 4 cantos do Mundo, chegando mesmo até África, mais concretamente a Durban; em 1976 é criada a ASP (Associação de Surfistas Profissionais) que criou uma série de torneios.
O primeiro campeonato mundial surgiu no ano seguinte e foi ganho por Peter Townend; nos finais dos anos 70, as estrelas eram, para além de Townend, Shaun Tomson, Wayne Bartolomeo e Mark Richards.

Em 1984, a ASP criou mais de 20 eventos internacionais, onde se destacaram o australiano Tom Carroll e o norte-americano Tom Curren, que elevaram o Surf a uma das modalidades desportiva com mais adeptos.

Em 1992, a ASP reformulou a fórmula do Campeonato do Mundo, passando a chamar-lhe World Tour Championship; criou também uma Fase de Qualificação, pois era muito difícil controlar cerca de 40 a 50 surfistas num torneio só.

Na viragem do milénio, as praias deixaram de ser o palco principal dos torneios de Surf, que se passaram a disputar nos lugares mais exóticos do Mundo, como por exemplo, em Grajagan (Indonésia), Jaffreys (África do Sul), Mundaka (Espanha), Tavarua (Ilhas Fiji), Teahupoo (Taiti) e Cavaletes (Estados Unidos).

Nesta altura também surgiram outras estrelas como o campioníssimo Kelly Slater e as surfistas Lisa Andersen e Layne Beachley, que começaram a “trazer” mais mulheres para o Surf.

Ao longo dos anos, a modalidade foi-se desenvolvendo e hoje em dia já nenhuma etapa é cancelada por falta de ondas, pois acontece um período de espera, ou seja, em vez da etapa se disputar em 5 ou 6 dias, passa-se a disputar num período de duas semanas, não havendo data nem hora concreta para sair para a água.

Em 2014, a ASP associou-se à Samsung e passou a ter sob a sua alçada todas as questões relativas a atletas, parcerias, patrocínios, transmissões televisivas e marketing.

Calendário do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour 2014
1ª Etapa: 01-12 Março – Quiksilver Pro Gold Coast, em Snapper Rocks (Austrália)
2ª Etapa: 02-13 Abril – Margaret River Pro, em Surfes Point (Austrália)
3ª Etapa: 16-27 Abril – Rip Curl Pro Bells Beach, em Bells Beach (Austrália)
4ª Etapa:  07-18 Maio – Billabong Rio Pro, no Rio de Janeiro (Brasil)
5ª Etapa: 01-13 Junho – Fiji Pro, em Cloudbreak (Ilhas Fiji)
6ª Etapa: 10-20 Julho – J-Bay Pro, em Jeffreys (África do Sul)
7ª Etapa: 15-26 Agosto – Billabong Pro Tahiti, em Teahupoo (Taiti)
8ª Etapa: 09-20 Setembro – Hurley Pro Trestles, na Califórnia (Estados Unidos)
9ª Etapa: 25 Setembro-06 Outubro – Quiksilver Pro France, em Landes (França)
10ª Etapa: 12-23 Outubro – Rip Curl Pro Portugal, em Peniche (Portugal)
11ª Etapa: 08-20 Dezembro – Billabong Pipe Masters, em Oahu (Havai)
Por: João Miguel Pereira
fonte:MultiDesportos

Deixe uma resposta