Félix, goleiro tricampeão do mundo, morre aos 74



O goleiro Félix é o segundo craque titular da Seleção Brasileira  tricampeã de 1970, a falecer.  O primeiro que morreu foi o lateral esquerdo Everaldo do Grêmio,num desastre automobilístico em outubro de 1974 (sexto, em pé na foto, à direita) ao lado do prepáradot físico Admildo Chirol também falecido, em dezembro de 1998, de infarto
 

Em um tempo que estava começando de maneira incipiente a preparação específica, Félix foi um goleiro espetacular. Apesar da estatura abaixo dos padrões atuais para a posição – tinha 1,79m -,o goleiro brilhou com a camisa da Seleção Brasileira, da Portuguesa de Desportos e do Fluminense. Nesta sexta-feira pela manhã, o titular do Brasil na Copa de 1970 morreu, em decorrência de problemas respiratórios por conta de um enfizema pulmonar. Ele tinha 74 anos.
Félix será lembrado para sempre pelas grandes defesas que fez na Copa do Mundo de 1970. A principal delas, contra a Inglaterra, num lance comparável ao de Gordon Banks e Pelé, que ficou conhecido como a defesa do século.



Félix comemorando o título de campeão mundial na Copa de 70 – Foto: CBF

O presidente José Maria Marin, apaixonado por futebol que é, acompanhou a carreira de Félix em jogos pela Portuguesa, em São Paulo, e também pela Seleção. Emocionado, ele manda sua mensagem de apoio à família de Félix.
– O torcedor brasileiro deve ser eternamente grato pela contribuição que Félix deu à Seleção Brasileira. É um ídolo do nosso futebol e deixará saudades – disse o presidente.
Neste fim de semana, será observado um minuto de silêncio antes de todas as partidas do Campeonato Brasileiro em homenagem a este goleiro tantas vezes campeão.

 Feliz recebe Comenda João Havelange – Foto: Rafael Ribeiro / CBF



FÉLIX
Nome: Félix Mielli Venerando
Nascimento: 24/12/1937, São Paulo (SP)
Falecimento: 24/08/2012, São Paulo (SP)
Posição: Goleiro
Pela Seleção Principal: 47 jogos, 33 vitórias, 9 empates, 5 derrotas.
Gols sofridos: 46
Copa do Mundo: 1970.
Jogos em Copa do Mundo: 6 jogos , 6 vitórias.
Gols sofridos em Copa do Mundo: 7
Títulos: Copa Rio Branco (1967, 1968), Copa do Mundo (1970), Copa Roca (1971).
1 – 21.11.1965 – 5 x 3 HUNGRIA (-3)
2 – 25.06.1967 – 0 x 0 URUGUAI
3 – 28.06.1967 – 2 x 2 URUGUAI (-2)
4 – 01.07.1967 – 1 x 1 URUGUAI (-1)
5 – 23.06.1968 – 2 x 3 TCHECOSLOVÁQUIA (-3)
6 – 25.06.1968 – 2 x 0 IUGOSLÁVIA
7 – 30.06.1968 – 2 x 0 PORTUGAL
8 – 07.07.1968 – 2 x 0 MÉXICO
9 – 10.07.1968 – 1 x 2 MÉXICO (-2)
10 – 17.07.1968 – 4 x 0 PERU
11 – 07.08.1968 – 4 x 1 ARGENTINA (-1)
12 – 31.10.1968 – 1 x 2 MÉXICO (-2)
13 – 13.11.1968 – 2 x 1 Coritiba (PR) (-1)
14 – 07.04.1969 – 2 x 1 PERU (- 1)
15 – 09.04.1969 – 3 x 2 PERU (-2)
16 – 06.07.1969 – 4 x 0 Bahia (BA)
17 – 09.07.1969 – 8 x 2 Sel.Sergipe (-3)
18 – 13.07.1969 – 6 x 1 Sel. Pernambuco (-1)
19 – 01.08.1969 – 2 x 0 Millonarios (COL)
20 – 06.08.1969 – 2 x 0 COLÔMBIA
21 – 10.08.1969 – 5 x 0 VENEZUELA
22 – 17.08.1969 – 3 x 0 PARAGUAI
23 – 21.08.1969 – 6 x 2 COLÔMBIA (-2)
24 – 24.08.1969 – 6 x 0 VENEZUELA
25 – 31.08.1969 – 1 x 0 PARAGUAI
26 – 03.09.1969 – 1 x 2 Atlético Mineiro (MG) (-2)
27 – 26.03.1970 – 2 x 1 CHILE (-1)
28 – 12.04.1970 – 0 x 0 PARAGUAI
29 – 29.04.1970 – 1 x 0 ÁUSTRIA
30 – 17.05.1970 – 5 x 2 Comb. León (-2)
31 – 03.06.1970 – 4 x 1 TCHECOSLOVÁQUIA (-1)
32 – 07.06.1970 – 1 x 0 INGLATERRA
33 – 10.06.1970 – 3 x 2 ROMÊNIA (-2)
34 – 14.06.1970 – 4 x 2 PERU (-2)
35 – 17.06.1970 – 3 x 1 URUGUAI (-1)
36 – 21.06.1970 – 4 x 1 ITÁLIA (-1)
37 – 30.09.1970 – 2 x 1 MÉXICO
38 – 04.10.1970 – 5 x 1 CHILE (-1)
39 – 11.07.1971 – 1 x 1 ÁUSTRIA (-1)
40 – 14.07.1971 – 1 x 0 TCHECOSLOVÁQUIA
41 – 18.07.1971 – 2 x 2 IUGOSLÁVIA (-2)
42 – 21.07.1971 – 0 x 0 HUNGRIA
43 – 24.07.1971 – 1 x 0 PARAGUAI
44 – 28.07.1971 – 1 x 1 ARGENTINA (-1)
45 – 31.07.1971 – 2 x 2 ARGENTINA (-2)
46 – 26.04.1972 – 3 x 2 PARAGUAI (-2)
47 – 06.10.1976 – 0 x 2 Flamengo (-2)
Clubes da carreira: Juventus (SP) (1953-1955); Portuguesa de Desportos (1955-1957 e 1961-1968); Nacional (SP) (1957-1960); Fluminense (RJ) (1968-1976).
Títulos
Fluminense Campeonato Carioca: 1969, 1971, 1973, 1975 e 1976
Taça Guanabara: 1969, 1971 e 1975
Campeonato Brasileiro: 1970
Torneio Internacional de Verão do Rio de Janeiro: 1973
Torneio de Paris: 1976

              Craques Nair, Félix e Jair Marinho, na Portuguesa de Desportos – Foto: CBF
Julio César, Felix e Wendell, em uma visita do goleiro tricampeão do mundo à Seleção que se preparava para a Copa de 2010 – Foto: Rafael Ribeiro / CBF

Portuguesa(SP) homenageia

Nota de Pesar – ex-goleiro Félix
           

 
A Associação Portuguesa de Desportos recebe com pesar, nesta sexta-feira (24), a notícia do falecimento do eterno ídolo Félix Mielli Venerando, um dos maiores goleiros da história do nosso clube e do futebol mundial.Paulistano, Félix defendeu a Portuguesa entre os anos de 1956 e 1968, e marcou época também no gol da Seleção Brasileira, onde se sagrou campeão mundial em 1970.
O corpo do ex-goleiro será velado no cemitério do Araçá, a partir das 15h. O enterro será neste sábado (25), às 10h. Nossa solidariedade à família e aos amigos e nosso profundo pesar pela perda de um eterno ídolo.

Félix Mielli Venerando
São Paulo/SP
24/12/1937 – 24/08/2012
Juventus, Portuguesa, Nacional, Fluminense e Seleção Brasileira

Obrigado, Félix

Ex-goleiro do Fluminense e da Seleção Brasileira, morre aos 74 anos

 
 
 

O Fluminense está de luto. Faleceu na manhã desta sexta-feira, 24, o ex-goleiro Félix Mielli Venerando, ídolo da torcida tricolor e ex-goleiro da Seleção Brasileira de Futebol campeã mundial de 1970. Ele estava internado no Hospital Vitória, em São Paulo, e morreu, aos 74 anos, vítima de pneumonia. Segundo boletim médico do hospital, Félix estava internado desde o último dia 18 de agosto, por conta de uma doença pulmonar obstrutiva crônica.
O clube decretou luto oficial de sete dias e todas as bandeiras do Tricolor devem ficar a meio mastro. No clássico deste sábado entre Fluminense e Vasco será respeitado um minuto de silêncio em homenagem ao ex-goleiro. Felix jogou 319 partidas pelo clube.
– O primeiro jogo que vi do Fluminense foi com o Félix no gol. O clube perde um de seus maiores ídolos, goleiro que foi referência para muitas gerações de torcedores. Ele ainda agarrava sem luvas, uma época romântica. Ele estava no time no início da Máquina Tricolor, um ídolo que honrou a camisa do Fluminense e a da Seleção Brasileira, titular do time que venceu a Copa do Mundo de 1970. Félix está eternizado na história do clube. Nos solidarizamos com a família, a quem enviamos nossos sentimentos – disse o presidente do Fluminense, Peter Siemsen.




Carreira no Fluminense
Félix chegou ao Fluminense em 1968, quando já tinha 30 anos. Quem pensava que sua carreira pudesse estar se encaminhando para o fim se enganou redondamente. O goleiro atuou por dez anos no clube e se tornou um dos mais vitoriosos da história tricolor. Ele conquistou o Campeonato Brasileiro de 1970, os cariocas de 1969, 1971, 1973, 1975 e a Taça Guanabara de 1975.
A leveza de seus voos atrás dos chutes adversários lhe rendeu o apelido de “papel”. Mas sua principal característica era a forte personalidade. Frio, não se abalava com falhas e logo em seguida já estava fazendo grandes defesas novamente.
Pela Seleção Brasileira, o goleiro disputou 47 partidas. Representando o Fluminense, Félix foi convocado para a sua única Copa do Mundo, a de 1970, e foi o goleiro titular da campanha do tricampeonato mundial. Ele ainda conquistou os títulos da Copa Rio Branco, em 1967, e da Copa Roca de 1971.
Félix também está eternizado na nova Sala de Troféus do Fluminense. Sua história faz parte do painel de principais jogadores que defenderam o clube.

 

Fontes: CBF – fluminense.com.br – portuguesa.com.br
Edição:  Ramon Paixão – editor chefe do Jornal Escanteio

Antonio Bento
Analista de Redes de Computadores , Pos-Graduado em Segurança de Redes de Computadores , Pos-Graduado Tecnologias Para Aplicações Web. Trabalha deste 2008 com Aplicações web em desenvolvimentos nas linguagem (php, Python, Ruby Rais) Conhecimento Avançando em banco sql Nosql.
http://stice.info

Deixe uma resposta